the oscars 2015: casais fofos

Há pessoas que individualmente até são muito atraentes mas depois vemo-los com a cara metade no tapete vermelho e parecem duas figuras de cera do Madame Tussaud's que puseram a posar lado a lado. E depois há casais como estes dois:


Benedict Cumberbatch e Sophie Hunter, empenhados numa cruzada de promoção do amor conjugal que está a arruinar corações por esse mundo fora. Até agora já noivaram, produziram um Cumberbaby que está ali aconchegado por baixo do vestido Lanvin da Sophie, e ainda casaram no Dia de S. Valentim. E não é lindo o vestido? Adoro como cai lindamente, tem um ar muito minimalista, e vai-se a ver e tem uma discreta mas vertiginosa abertura de lado. Assim como aquele famoso vestido Versace da Elizabeth Hurley, mas em chique.


E depois disto vai-se a ver e o rapaz ainda passa a vida a perguntar-lhe "estás bem, querida?" não vá dar-se o caso de tantos flash deixarem a Sophie indisposta. A sério, parem que eu não aguento.


Chris Pratt e Anna Faris, um dos casais mais amorosos de Hollywood. Anna veste Zuhair Murad e Chris veste Tom Ford. Dizem por aí que Chris Pratt poderá protagonizar um reboot da série Indiana Jones. Por um lado acho que deviam parar com esta mania dos remakes. Por outro lado, pode ser que resulte...


Diane Kruger e Joshua Jackson. Tão lindos.


Diane veste uma coisa  Donna Karan Atelier que de lado parece um vestido mas depois vai-se a ver e tem umas calças por baixo. Mais um para a categoria "não tente isto se não tiver corpo de supermodelo".


Mais um recém-casado: os ingleses estão desaparecer rapidamente do mercado! Eddie Redmayne casou em Dezembro com Hannah Bagshawe, que para mim tem um dos vestidos mais lindos da noite: um Alexander McQueen que resultou muito melhor que o de Felicity Jones... Está visto que a designer Sarah Burton anda numa fase de pôr coisas nas ancas dos vestidos, mas esta espécie de abanicos de penas resultam bastante melhor que os reposteiros da Felicity. A cor é lindíssima e o cinto de pedrarias também. 


É que o vestido até combina com o Óscar do Eddie (que já agora, também está a usar McQueen).


Idris Elba levou a filha aos Óscares. Tão bom ou melhor que um homem sexy, é um homem sexy a desempenhar deveres paternais. E com estas cenas de amor romântico e familiar vos deixo, que esta gente tão amorosa até me derrete o coração.

the oscars 2015: cate blanchet [the queen has arrived]


Já desisti de tentar encontrar defeitos nesta mulher, que considero um dos actuais expoentes máximos de graça, talento e elegância no mundo do espectáculo. Adoro tudo o que ela veste, porque ela veste qualquer coisa com um porte de rainha sem igual. 


Este simples vestido preto - John Galliano para Maison Martin Margiela, já me tinha esquecido por onde andava o Galliano - poderia ser algo enfadonho noutra pessoa, mas o sorriso de Cate e o maravilhoso colar de turquesas Tiffany's fazem o conjunto. Como dizia Coco Chanel, "a mulher usa o vestido, não é o vestido que usa a mulher".


Cabelo apanhado e maquilhagem super natural a evidenciar a pele perfeita de Cate.


E há coisa melhor que ganhar um Óscar? Há sim, é ganhar um Óscar e recebê-lo das mãos de Cate Blanchett. Por esta altura o doce do Eddie Redmayne ainda não tinha descido à Terra...

the oscars 2015: felicity jones [opinião reservada]


Este vestido Alexander McQueen tem um tom e pormenor extraordinários. Na TV e na maior parte das fotos que vi parecia cinza claro, nesta foto aqui parece alilasado, os detalhes das pequenas flores e das pérolas são lindíssimos, e nos primeiros momentos em que o vi achei-o lindíssimo, como lindíssima achei a maquilhagem da actriz com destaque para os olhos, pele perfeita e lábios neutros.


Depois vi o vestido abaixo da cintura. E neste momento eu e a Mommy, que estávamos as duas a ver o E! com uma mantinha pelos joelhos, dissemos em uníssono, "isto parece um reposteiro". Com todo o respeito pela designer Sarah Burton, eu até percebo o conceito, só que o conceito não resulta. Se repararem, ali do lado e bem na zona das ancas, há umas espécie de argolas que apanham o tecido da saia que depois cai e faz roda. Não sei se é das argolas, se é do próprio tecido, mas a coisa não funciona nada bem.


É pena, porque com uma saia mais direitinha e o tecido a cair melhor, isto seria um dos vencedores da noite. Se calhar bastava terem feito uma bainha um tudo-nada mais subida...

the oscars 2015: lupita nyong'o [mas a sério que isto é calvin klein?]


O vestido não é exactamente consensual mas considero-o um dos mais originais da noite, e não escondo a minha incredulidade ao saber que era Calvin Klein. Isto é o problema de ter vivido na década de 90 quando Calvin Klein era a coisa mais cinzenta e sensaborona deste mundo. Com cerca de 6.000 pérolas bordadas, está firmemente na categoria "não tente isto em casa se não for Lupita Nyong'o" mas a figura esguia da actriz e a sua pele resplandecente são realçados pelo corte do vestido e pelo brilho das pérolas.


Para a famosa after party da Vanity Fair, Lupita trocou as suas pérolas por um outro modelo Calvin Klein, desta vez em dourado, que lhe fica igualmente a matar.

the oscars 2015: margot robbie [onde a patuxxa faz as pazes com hedi slimane]


Quem me lê há uns tempos deverá lembrar-se que a prestação de Hedi Slimane na Yves Saint Laurent - à qual o moço teima em chamar apenas Saint Laurent mas eu não vou nessas novilínguas - não me tem impressionado sobejamente. É que depois da mudança de nome e da colecção grunge o trauma foi tão grande que eu deixei de seguir as colecções para não sofrer mais desgostos. 

Mas depois de ver Margot Robbie no tapete vermelho tenho de dar a mão à palmatória: gosto, sim senhor. Atrevo-me a dizer que é algo que o próprio Monsieur Yves aprovaria. Tem qualquer coisa de anos 70, Studio 54, Michelle Pfeiffer no filme Scarface. A fluidez e simplicidade do vestido, num evento cheio de saias rodadas e brilhantes, têm qualquer coisa de transgressor. E consegue fazer a actriz parecer altíssima, quando ela é um pequenino Pinypon como eu.


Claro que o estilo e atitude de Margot Robbie fazem muito para "vender" o vestido. A jóia Van Cleef & Arpels dá um toque original sem destoar, o cabelo está perfeito, e os lábios vermelho morango são provavelmente a minha maquilhagem favorita da noite; várias fontes citam que se trata do Opaque Rouge da marca Hourglass, na cor Raven.

querida Rihanna,


Sabes que até gostei do teu primeiro álbum mas desde então quanto mais roupa tiras, menos eu aprecio a tua música. Até compreendo a tentativa (tua e dos teus produtores) de vender a tua imagem como uma espécie de Beyoncé cruzada de Madonna mas a isso só tenho a dizer, e é a minha opinião pessoal, stop trying to make fetch happen. Tomando isto em consideração, tenho a dizer que este vestido Giambattista Valli é um passo muito positivo na reabilitação desse vício de pôr tudo à mostra. Mas confesso que olho para ti e só penso nisto:

REDValentino


A boa notícia é que depois de ANOS à procura de um casaco preto, comprei a coisa mai'linda do mundo nos saldos. É a minha cara e assenta-me que nem uma luva.


A má notícia é que mesmo em saldo isto estourou o meu orçamento de roupa mais ou menos para os próximos seis meses, portanto além da dieta de beleza e cosméticos, estamos em dieta de trapos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...