"review": Indeed Labs Hydraluron Moisture Jelly


Estive algo tentada a fazer uma review que consistiria em copy/paste da frase "Ui gosto tanto disto" repetida umas quinhentas vezes, mas acho que perdia a graça depois das primeiras cem.

Depois do sérum à base de ácido hialurónico Hydraluron Moisture Booster ter sido elogiado pela guru da cosmética Caroline Hirons e ganho estatuto de culto imediato, a marca Indeed labs voltou à carga com este Hydraluron Moisture Jelly

O Hydraluron original é um sérum potenciador da hidratação; o ácido hialurónico funciona como um ímane que atrai as moléculas de água do hidratante que aplicamos por cima deste sérum, permitindo que as mesmas sejam mais e melhor absorvidas pela nossa pele.

Já o Moisture Jelly é mesmo um hidratante que pode ser usado por si só ou em conjunto com o Hydraluron ou outro sérum. Tenho estado a usá-lo de manhã em conjunto com o ácido hialurónico da État Pur que ainda estou a terminar. É um gel completamente transparente, muito agradável e fresco. Ao aplicar no rosto deixa uma sensação de "molhado" durante cerca de um minuto, depois é totalmente absorvido. 

Quando este produto foi lançado, algumas bloggers opinaram que não o achavam suficientemente hidratante. Claro que estamos a falar de pálidas rosas inglesas de pele normal / seca, e como sabem eu tenho pele oleosa, ainda mais no Verão. Este produto poderá não ser o mais indicado para peles secas, mas para pele oleosa é simplesmente maravilhoso! Frequentemente o excesso de óleo leva-nos a tratá-la de forma demasiado agressiva e a cortar na hidratação, o que leva a uma pele simultâneamente oleosa e desidratada e às vezes pior, irritada também. Óleo e água são coisas diferentes, e aliás o óleo também não é nosso inimigo. Estou a adorar o Moisture Jelly que se revelou um hidratante perfeito para o Verão, nutrindo a pele sem pesar nem criar oleosidade em excesso. Recomendo-o a todas as pessoas que tenham pele mista / oleosa!

O único defeito que tenho a apontar é que a embalagem de 30ml não deve durar muito... deviam investir numa embalagem de 50ml pelo menos! O Hydraluron Moisture Jelly está disponível na Boots por £ 24,99. A loja faz frequentes promoções "leve três pague dois", desconto imediato ou outras ofertas na marca Indeed Labs.

"review": ISDIN Maskream + Elishacoy Skin Repairing Snail Mask + Elishacoy Caviar & Gold Mask


As chamadas sheet mask são mais uma tendência oriunda da cosmética asiática a chegar ao nosso cantinho do mundo. Trata-se de uma máscara geralmente em gaze fina, embebida num sérum que ao ser aplicada sobre o rosto, permite o reforço dos níveis de hidratação e nutrição da pele. Ando actualmente a gastar um stock da marca coreana Elishacoy (comprei duas embalagens de dez máscaras no ano passado), mas entretanto comprei e experimentei uma das novas máscaras em hidrogel Maskream da ISDIN depois de ler sobre elas no blog das Pretty Exquisite e achei que era boa altura partilhar os meus pensamentos sobre as máscaras que já experimentei.

Tudo isto começou no ano passado, quando comprei umas revistas japonesas através da internet e uma delas trazia de brinde duas sheet mask. Gostei tanto que fui cuscar ao eBay e acabei por comprar dois packs de dez máscaras cada da marca coreana Elishacoy. Entre a variedade disponível, escolhi a Skin Repairing Snail Mask porque tenho tido bons resultados com produtos à base de baba de caracol (nomeadamente o creme Endocare) e  a Caviar & Gold Firming & Nourishing Effects Mask simplesmente porque lhe achei graça. Foram assim a modos que escandalosamente baratas - cada pack de dez ficou-me a € 11,74 - só que demoraram mais de dois meses a chegar porque a encomenda foi seleccionada para verificação alfandegária (não foi taxada, porém).


Quando finalmente chegaram, verifiquei com grande espanto e agrado que cada embalagem traz tanto sérum - 23gr. de produto - que com algum jeitinho é perfeitamente possível usar cada máscara duas vezes! Basta ter algum cuidado ao retirar a máscara e "espremer" algum do sérum para dentro da embalagem, e depois de usar a máscara voltar a dobrá-la, colocar dentro da embalagem para embeber no sérum restante, e depois fechar com fita adesiva para não secar.

Estas máscaras são muito práticas para levar em viagem e já as usei inclusive como cuidado pós-solar. Geralmente deixo-as em pose cerca de vinte minutos, massajando o sérum restante depois de retirar. Deixam a pele muito hidratada, viçosa mesmo, constituindo uma maravilhosa experiência de relaxamento ao fim de um dia ocupado. Não sinto grande diferença entre a Skin Repairing Snail Mask e  a Caviar & Gold Firming & Nourishing Effects Mask; gosto de ambas e acho que ambas são igualmente hidratantes e reparadoras.

Já as Maskream da ISDIN inovam no segmento das sheet mask porque em vez de uma máscara de gaze embebida em sérum, se apresentam numa inovadora textura de hidrogel. A textura e toque da máscara lembram uma folha de gelatina de culinária acabada de embeber em água (a comparação é estranha mas certeira, garanto). 

Apesar de já ir avisada por ter lido a entrada das Pretty Exquisite, no dia em que usei isto não estava no melhor estado mental porque o Benfica tinha acabado de se sagrar bicampeão... Ora a máscara de hidrogel vem dentro do pacote "ensanduichada" entre duas folhas de papel vegetal, e aqui a inteligente espetou a máscara na cara com papel vegetal e tudo. Estava eu a estranhar a textura da máscara quando me lembrei de ler as instruções e aí sim, tirei o papel vegetal e apliquei a máscara como deve ser! 

Experimentei a máscara matificante, que tem efeito seborregulador e equilibrante. Achei a textura em hidrogel muitíssimo agradável e após retirada a máscara a pele apresentava-se purificada e calma. Fiquei com vontade de voltar a usar, e também de experimentar a máscara hidratante

As Maskream da ISDIN custam cerca de € 8 por unidade e vendem-se em farmácias e parafarmácias. Estão também à venda online em lojas como a Glams Secret ou a Primor.

uma breve "wishlist" a abrir o Verão

A colecção de Verão da Dior deixou-me encantada, mas a verdade é que quando comecei a ver notícias online sobre a colecção Saharienne da Yves Saint Laurent depressa me esqueci da Tie Dye, e agora que já chegou às perfumarias nacionais tenho a confirmar que a Saharienne é uma das melhores colecções da YSL em vários anos.


O produto-estrela, que entrou imediatamente para o topo da minha lista de desejos, é o Baume-Poudre Ensoleillant, um produto com uma textura extraordinária: passa-se o dedo e é um creme, aplica-se no rosto e transforma-se em pó. É completamente mate e existe em seis cores, adequadas das peles mais claras às mais escuras, e nenhuma delas cor de laranja Oompa Loompa! Segundo a marca o produto pode ser usado como bronzer ou para fazer contorno, e embora eu já deite pelos olhos a tendência do contorno, reconheço que pode resultar muito bem sim senhor.


Em segundo lugar há dois vernizes lindíssimos e de uma originalidade rara, inspirados nas cores quentes do Verão em Marraquexe. Não sei se consigo usar verniz amarelo (e olhem que uso quase todas as outras cores do arco-íris) portanto o Jaune Babouche está em dúvida, mas o Brun Henné será meu com toda a certeza, é uma cor entre o vermelho e o castanho tal e qual como a henna que deverá ficar lindíssimo na pele bronzeada...


Um outro lançamento que acompanha a colecção Saharienne são as novíssimas Full Metal Eyeshadow, suspeitamente parecidas com as Eye Tints da Armani. Segundo algumas reviews não são tão boas como estas últimas, mas há ali um tom acobreado a chamar por mim...


A Sisley apresenta igualmente um novo lançamento para o Verão, as sombras em lápis Phyto Eye Twist, e eu estou apaixonada por um tom azul turquesa chamado Lagoon. Ora eu não preciso de mais sombras azul turquesa, porque tenho uma obsessão por sombras azul turquesa e volta e meia compro mais uma, apesar de não as usar muito porque claramente não é maquilhagem para trabalho. Mas ela é tão linda...


Finalmente... achei graça aos novos Pro Fusion Bronze da Make Up Forever, mas acho que gosto mais do bronzer da Yves Saint Laurent e claramente não preciso de dois na minha vida. Portanto este menino aqui talvez fique para depois...

Clinique Pop Lip Colour + Primer


Foi com muito agrado que vi chegar às perfumarias nacionais os novos batons Pop Lip Colour + Primer da Clinique. Como já algumas vezes comentei por aqui, acho a distribuição da Clinique e da Estée Lauder (pertencentes ao mesmo grupo e distribuidor) em Portugal inexplicáveis. As marcas têm pouquíssima divulgação, é frequente encontrar expositores meio vazios nas perfumarias, e há produtos que simplesmente nunca são vendidos cá - caso dos blush Cheek Pop da Clinique, lançados no ano passado...

Ora, os Pop Lips foram lançados em Inglaterra em Março, e eu estava de água na boca de ver todas as bloggers inglesas a gabá-los, portanto há coisa de um mês e tal aproveitei um evento triple points da Boots para me abastecer de produtos Indeed Labs e comprei também um destes batons. Dado que as britânicas estavam todas loucas por um vermelho alaranjado chamado Poppy Pop eu também queria essa cor, mas esgotou e depois de ver uns swatches online acabei por comprar a cor Plum Pop.


O Plum Pop revelou-se um daqueles felizes acasos em que uma cor escolhida ao calhas e em desespero de causa nos cai lindamente. É um rosa malva neutro que em mim fica muito My Lips But Better, pois a cor natural dos meus lábios é bastante rosada. Já aprendi a nunca tentar comprar batons de fundo bege sem os experimentar primeiro, porque o risco de resultar em "lábios de cadáver" é bastante grande - aconteceu-me no ano passado com o batom Last Tango da NARS!

A Clinique descreve os Pop Lips como um batom rico em cor acrescido de primer suavizante, tudo-em-um, que suaviza, define e nutre os lábios, mantendo-os hidratados e preenchidos com cores vivas e vibrantes durante todo o dia. Quanto à parte do primer não posso dizer grande coisa, tenho os lábios naturalmente suaves à custa de muito protector labial. Mas achei o meu Plum Pop um batom muito confortável de usar, hidratante e perfeito para um estilo natural.


No fim de semana passado encontrei os Pop Lips já à venda na Douglas e na Perfumes & Companhia e tive oportunidade de experimentar mais cores in loco. Acabei por concluir que o tão desejado Poppy Pop era demasiado coral ao vivo (é possível que parecesse mais avermelhado nas inglesas dado que elas têm todas um tom de pele bastante mais claro e de base rosa, ao passo que eu sou um  tom médio de base amarela), mas quase todas as outras cores são maravilhosas e fiquei de olho no Cherry Pop, um vermelho cereja lindíssimo!

Os Pop Lips custam cerca de  € 20, o que significa que as usuais promoções de 20% nas perfumarias nos permitirão comprá-los por cerca de € 16. É um preço muito simpático para um batom, tendo em conta que as marcas de perfumaria andam todas loucas e atiraram os preços dos batons todos para os € 30. E já viram que as embalagens são amorosas?

secção de frescos


Há dias raros em que é preciso soltar a Anna Dello Russo que há em nós e comprar uma coisa absolutamente desnecessária, fútil e over the top. Quando vi esta carteira no catálogo da Accessorize soube que era um desses dias. Foi amor à primeira vista por esta mini carteira em forma de pacote de sumo. De tal forma que, quando não a encontrei numa loja física, decidi encomendá-la na loja online em vez de ir correr as lojas todas da Accessorize de Lisboa...

Apple Juice Bag € 39,99 Accessorize

Mas tenho de confessar, e os mais astutos entre vós já o terão adivinhado, que este meu encanto tinha algo por trás. É que esta carteirinha é, digamos, inspirada numa das peças de culto da colecção Chanel Outono / Inverno 2014: a Lait de Coco

Imagem © Vogue Mexico

Numa das suas colecções mais memoráveis dos últimos anos, Karl Lagerfeld transformou a passagem de modelos numa ida ao supermercado, completa com cestos de compras e pacotes de frescos. Ir ao Continente nunca foi tão fashion.

Imagem © The Street Muse

Chegou ontem é tal e qual como nas fotos. Apesar de invulgar, o seu formato até acaba por ser prático porque cabem lá dentro os essenciais sem ter de os espalmar como às vezes acontece com as clutch. Vai um suminho?

"review": Rodial Dragon's Blood


Já aqui partilhei a minha opinião sobre certas práticas da marca Rodial, que apesar do marketing ocasionalmente desastrado tem, a meu ver, bons produtos. O nome algo sensacionalista Dragon's Blood parece tirado da Guerra dos Tronos (caso em que Daenerys Targaryen ficaria com certeza muito zangada com estes senhores) mas refere-se afinal a uma inofensiva resina vegetal. A Croton lechteri é uma árvore da América do Sul à qual foi dado o nome Sangre de Drago devido à espessa resina vermelha que o seu tronco produz. Ora, esta resina tem fama de ter propriedades regeneradoras e curativas, sendo há muito usada pelas tribos nativas para cobrir e proteger feridas.


Honestamente não sei se a linha Dragon's Blood da Rodial tem suficiente quantidade de extracto de resina de Croton lechteri para fazer alguma coisa, mas que gostei dos produtos, gostei. Numa venda da Showroomprivé há coisa de um ano comprei o Dragon's Blood Sculpting Gel e a Dragon's Blood Hyaluronic Mask, produtos que neste momento estão ambos quase no fim.

O Sculpting Gel é um creme-gel de textura muito agradável para esta época do ano. Hidrata sem deixar a pele oleosa, mas antes com um aspecto dewy muito simpático. Promete volumizar e definir os contornos faciais, proteger a pele das agressões do dia a dia, e reduzir a vermelhidão, indicando-se como adequado a pele sensível. Ora eu realmente tenho pele sensível e dei-me muito bem com este creme, mas não garanto que outras peles o façam. É que passei imenso tempo encantada com a fragrância do creme - que eu estava convencida ser o cheiro da tal resina - até que um dia me deram uma amostra do protector solar da linha Super Acids que tinha exactamente o mesmo cheiro, e percebi que era simplesmente o aroma que adicionam a todos os produtos da Rodial...

Os ingredientes são: Aqua (Water), Dimethicone, Cyclopentasiloxane, Hydrogenated Polyisobutene, Butylene Glycol, Polysilicone-11, Helianthus Annuus (Sunflower) Seed Oil, Glycerin, Laureth-4, Polyacrylamide, Phenoxyethanol, C13-14 Isoparaffin, Benzyl Alcohol, Caprylic/Capric Triglyceride, Laureth-7, Disodium EDTA, Citric Acid, Ethylhexylglycerin, Croton Lechleri Resin Extract, Lupinus Albus (White Lupin) Extract, Parfum (Fragrance), Propylene Glycol, Limonene, Dehydroacetic Acid, Commiphora Mukul Resin Extract, Geraniol, Potassium Sorbate, Linalool, Punica Granatum (Pomegranate) Fruit Extract, Sorbic Acid, Tocopherol, Anemarrhena Asphodeloides Root Extract.

Uso este creme de manhã (à noite continuo a usar uma combinação de Retinol Reface e Embryolisse) e sinto que o mesmo me deixa a pele repousada e hidratada. A maquilhagem aplicada por cima fica perfeita, a pele fica com um aspecto luminoso e hidratado. Quanto aos efeitos de volumizar e definir contornos, não tenho idade nem rugas que permitam aferir um tal efeito. A dada altura noitei que tinha os sulcos nasogenianos menos vincados e ainda pensei que pudesse ser disto, mas em conversa com a Sara do Makedown chegámos à conclusão que o "culpado" de tal efeito era provavelmente o retinol! Ainda assim gostei muito deste creme e até o recompraria não fosse o preço algo obsceno do mesmo...

Já a Hyaluronic Mask veio a revelar-se uma concorrente de peso à minha bem-amada Holy Grail das máscaras de hidratação, a Rose Noire da Sisley. Com efeito, é uma daquelas máscaras simplesmente perfeitas para aplicar em pose toda a noite e de manhã o efeito é maravilhoso, uma pele nutrida e repousada. Às vezes para potenciar o efeito, aplico por cima umas gotas do óleo Rosehip Bioregenerate da Pai Skincare, mas mesmo por si só a Hyaluronic Mask é fantástica. Se tivesse de escolher, preferiria a máscara ao Sculpting Gel, e dado que a mesma tem um preço ligeiramente menos obsceno considerarei certamente recomprá-la no futuro.

Ingredientes: Aqua (Water), Glycerin, Cyclopentasiloxane, Polysilicone-11, Propylene Glycol, Dimethicone, Pentaerythrityl Tetraethylhexanoate, Phenoxyethanol, Hydroxyethyl Acrylate/Sodium Acryloyldimethyl Taurate Copolymer, Acrylates/C10-30 Alkyl Acrylate Crosspolymer, Triethanolamine, Squalane, Sucrose Palmitate, Galactoarabinan, Glyceryl Linoleate, Tocopheryl Acetate, Disodium EDTA, Ethylhexylglycerin, Polysorbate 60, Parfum (Fragrance), Limonene, Potassium Sorbate, Sodium Hyaluronate, Sorbitan Isostearate, Geraniol, Linalool, Croton Lechleri Resin Extract.

até que funciona


Conforme já vos tinha dado conta há uns meses, (re)comecei a praticar actividade física na cadeia Fitness Hut e tenho conseguido manter uma frequência de entre duas a três vezes por semana. Como me conheço muito bem, comecei de mansinho só com duas aulas semanais para não me cansar demasiado nem desanimar e depois fui aumentando a actividade à medida que sentia a resistência aumentar. No Sábado passado consegui fazer duas horas seguidas, RPM e depois body pump, e isto há três meses seria manifestamente impossível!

Continuo a detestar step e coisas que metam danças, e nem sequer me aproximei das aulas de Zumba. Já percebi que gosto de exercício funcional sem passinhos, piruetas ou gritinhos, por isso mantenho-me nas modalidades que gosto. Contra todas as expectativas, gostei muito do treino com PT (o ginásio oferece uma aula para experimentar, com a inscrição), que pratico uma vez por semana. Por este andar já fiz mais aulas em três meses de Fitness Hut que num ano de Holmes Place. 

Não sei explicar se a diferença está no ambiente dos ginásios, se está em mim, mas a verdade é que no Holmes quase que ia por obrigação até que deixei de ir de todo, e ao Fitness vou com gosto e cada vez mais frequentemente. Acho que só não vou mais vezes por causa dos chuveiros, que têm um temporizador que torna muito, muito chato lavar o cabelo (temos de carregar no botão da água de vinte em vinte segundos). Isso impede-me de ir às aulas de manhã, prefiro ir à noite e tomar o duche em casa (ou no fim de semana, treinar no Fitness mais perto de casa e fazer o mesmo).

O meu objectivo nunca foi perder peso, mas recuperar forma física; eu passo o dia sentada num escritório e a dada altura ficava ofegante só de subir a Avenida da Liberdade a pé... De qualquer maneira, em resultado do treino perdi cerca de 1Kg e estou a trocar massa gorda por massa muscular (pelo menos é o que diz aquela balança XPTO que usam para nos pesar nos ginásios). Noto que me canso menos e tenho maior resistência, quer nos exercícios, quer no dia a dia.

Entretanto cheguei à conclusão que onde vale mesmo a pena investir é em calçado de treino. Umas T-shirts leves e umas leggings despacham a coisa, mas se os ténis não forem bons o treino todo sofre! Até agora os meus Nike Free têm sido o calçado de eleição para as aulas que requerem mais movimento e flexibilidade, revelaram-se muito confortáveis e são um modelo que recomendo em definitivo. 


Com tantas notícias sobre a abertura da nova loja da Adidas no Colombo (que esteve com uma promoção de abertura de 25% desconto em tudo), não resisti a dar lá um saltinho e saí de lá com a carteira mais leve, uma vez que me apaixonei por um modelo novo que não era exactamente barato. São os Climachill Gazelle Boost e custam € 120, em promoção ficaram-me por € 90. É um modelo um bocado estranho porque o sapato não tem pala e é feito numa peça única, como uma meia, todo em tecido leve e com uns orifícios de ventilação na sola. A ideia disto tudo é manter o pé "ventilado" e só vos digo, são brutalmente confortáveis. Sim, e também são lindos.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...