wardrobe malfunctions (not THAT kind)




Desafio qualquer pessoa a visitar o Ikea e não sentir verdadeiro assombro perante os roupeiros Pax. Para roubar o título de uma música do Enrique Iglesias, é quase uma experiência religiosa. Especialmente para quem, como eu, já sofre de toda a gama de complicações associadas à falta de espaço para arrumação tais como: (i) não ter espaço para a roupa e tralhas; (ii) não saber onde guardei as coisas; (iii) não usar as coisas porque as guardei num sítio recôndito e me esqueci delas; (iv) precisar de esvaziar uma gaveta inteira para encontrar uma camisola; (v) havia de certeza outra razão mas guardei-a algures e agora não a encontro.

more than a woman: crystal renn


Foi numa Vogue de há uns anos que me deparei com esta foto da modelo Crystal Renn. Impressionou-me não só por ser um corpo até então (e ainda hoje) pouco visto nas páginas da Vogue, mas principalmente pela sua atitude e beleza. Ah, aquelas coxas sem um centímetro de celulite!


Depois vim a conhecer a história de Crystal, que ao tentar vingar como modelo em Nova York quase destruiu a sua saúde física e psíquica e por pouco não acabou mesmo com anorexia e internada com um esgotamento. Crystal deixou tudo para trás, fez uma pausa, recuperou o seu peso ideal... e foi então que a sua carreira "descolou"!

Regressada, Crystal foi contratada pela agência Ford como modelo plus-size (faz-se a necessária pausa para explicar que a indústria da moda chama modelo plus-size a uma pessoa de tamanho normal, e modelo "normal" a uma quasi-vítima de anorexia...). Com uma figura marcante, uma atitude de vencedora e as decisões certas nos momentos certos, escreveu uma autobiografia e tornou-se um ícone com exposição cada vez maior nestes tempos de debate sobre a imagem corporal veiculada pela indústria da moda. Crystal é uma das poucas modelos plus-size a aparecer nas páginas da Vogue, da Glamour e da W, e na última estação desfilou para a Chanel.


Mas uma andorinha não faz a Primavera. Não basta juntar uma modelo plus-size ao desfile, nem fazer de seis em seis meses uma produção de moda "estilo para todas as cores e feitios". Há que celebrar a diversidade e autoconfiança pessoal acima de tudo. Enquanto esse dia não chega, ao menos posso admirar as fotos de Crystal.

this ain't nothing but a summer post


Chegou o Verão, meninas!

Serei eu a única pessoa a achar irónico que hoje em dia os saldos de Primavera-Verão se iniciem antes mesmo de começar o Verão? Just saying...

the princess bride

Eu normalmente não sigo muito estas peripécias da realeza, mas sempre gostei da Princesa Victória da Suécia. Ela é linda e tem um maravilhoso sorriso aberto que nada tem a ver com as carinhas empinadas de muito sangue azul, azulado ou nem por isso que anda por aí. E claro que com esse sorriso de felicidade, mais uns metros de seda e renda e uma tiara real... Victoria foi uma noiva linda:










Isto apesar do noivo ter uma carinha de totó que só visto. Mas como é que é possível um fitness trainer ter esta fronha? Devem ser os ares de copinho de leite que lhe deram por ser agora SAR Príncipe Daniel, Duque de Västergötland...


O vestido simples mas de corte impecável (adoro o pormenor dos saiotes rendados) era acompanhado por um véu de renda, uma tiara lindíssima, uma cascata de flores e uns sapatinhos que eu jurava serem Roger Vivier - aquelas fivelas não enganam!




Depois do casamento os noivos passearam pela cidade de Estocolmo de coche e de barco. Lindo! Agora esperemos que daqui a uns anitos isto não acabe tudo em lavagem de roupa suja nos tablóides... esta é uma noiva real que sinceramente merece ser feliz!

yves broke my heart but not my purse


A bijutaria Yves Saint Laurent, Lanvin, Erickson Beamon e outros deixa-me de cabeça à banda... mas não o suficiente para a comprar. Por muito que goste de designer jewelry, não consigo justificar um tal gasto quando pelo mesmo preço posso comprar uma peça em ouro... Felizmente às vezes os deuses da moda vêm em nosso auxílio e criam peças que com um pouquinho de esforço e imaginação conseguimos recriar por uma fracção do preço, e com o nosso cunho pessoal. É o caso destes colares Yves Saint Laurent. Mal os vi pensei imediatamente: (i) que lindo! (ii) seiscentos e cinquenta dólares?! (iii) eu consigo reproduzir isto por vinte ou trinta euros!


E se assim pensei, melhor o fiz. Os colares consistem basicamente em duas secções de pedras semipreciosas (ágata bandeada), unidas por um cordão de cabedal com algumas contas de prata para dar um arzinho de sua graça. Nas lojas de pedras semipreciosas como a Stone by Stone encontram-se facilmente secções de ágata ou outras pedras para dar o mesmo efeito. Eu acabei por encontrar fiadas de ágata já furadas na Art & Stones, uma loja no Dolce Vita Tejo bastante bem fornecida de pedrarias a preços muito razoáveis. O cordão de cabedal já o tinha, mas podem encontrá-lo em qualquer loja destas ou em algumas retrosarias, bem como as contas de prata (e quando digo prata, digo prateado... para o meu colar, aproveitei as contas de uma fiada que comprei por dois euros na Feira da Ladra). Depois é só enfiar no cordão, dar alguns nós entre as contas de prata, atar e usar. Como não há duas secções de ágata iguais, todos os colares serão diferentes, únicos e exclusivos... sem precisar de estourar o cartão de crédito.

'tis the season to be merry (and broke) UPDATED

JÁ COM PROMOÇÕES:
My Theresa
Net-a-Porter
Anya Hindmarch
FarFetch
Fashion Clinic
Cool de Sac
BCBG Max Azria
Comptoir des Cotonniers
Mango
Lanidor
Blanco
Sacoor Brothers
Tiffosi

Grata pelas informações meninas!

xoxo,

relaxando em Marrakesh... perdão, em Madrid!


Percorrer ruas e museus no calor de Madrid não é coisa doce. Mesmo eu, que adoro andar a pé e sou capaz de percorrer quilómetros com uns sapatinhos confortáveis, depressa sucumbi cheia de dores nas pernas... foi então que decidi dar-me um mimo e experimentar um sítio que vinha recomendado no guia Lonely Planet: os banhos árabes Medina Mayrit. Com uma localização bem central perto das Portas do Sol, os banhos árabes situam-se num edifício centenário que foi recuperado com grande cuidado pela traça original, mas proporcionando todos os confortos modernos.


O que são então os banhos árabes? Sob arcadas de tijolo vermelho, acedemos a um espaço privado que é um oásis de paz e relaxamento no meio da cidade. A zona dos banhos tem três piscinas - de água tépida, de água quente, e de água fria -, um banho turco e uma sala de descanso. O acesso aos banhos dá direito a cerca de hora e meia durante a qual podemos alternar entre as diversas piscinas. Deve usar-se fato de banho ou biquini e prender o cabelo (não é necessário usar touca), aplicando-se igualmente as regras de higiene usuais.


É possível usufruir apenas da experiência dos banhos ou apreciar um hammam completo com exfoliação de sabão negro e massagem relaxante. A Medina Mayrit inclui ainda um restaurante e salão de chá que serve cozinha árabe e andaluz.


Recomenda-se começar pela piscina temperada, a cerca de 36º, para em seguida passar à piscina quente, onde a água está a 40º. Nesta sala não devemos passar muito tempo... mas sim ganhar coragem para passar directamente à piscina fria, que está a 16º! Depois um copinho de chá quente de menta bem açucarado na sala de descanso, e regresso à piscina temperada para recomeçar o circuito...


Posso dizer que os momentos que passei nos banhos árabes foram uma pausa retemperante que me deixaram refrescada e cheia de energia para o resto do dia. A luz suave, a música oriental misturando-se com o ruído da água... senti-me uma princesa das Mil e Uma Noites, só faltou o Jake Gyllenhaal montado num corcel negro...

Mas ninguém me disse que era para ir para Madrid! E agora o que é que eu faço? O cavalo não tem GPS!

io sono l'amore (sempre)

Enquanto nem a Selecção ganha nem a gente almoça, mais umas imagens do filme que encontrei pelas internetes fora (ainda está em exibição nos cinemas UCI Arrábida, UCI El Corte Inglès e Castello Lopes Cascais Villa)















shoot me now


Esse som que estão a ouvir, não são tambores a rufar pela Selecção Nacional. É o som da minha cabeça a bater repetidamente na secretária.

so, lady gaga and madonna walk into a church...

Bom. Parece que enquanto eu calcorreava as ruas da Chueca, meio mundo e o outro andou a ver o novo videoclip da Lady Gaga e (a) a dizer que é uma cópia de Madonna; (b) que é melhor que Madonna; (c) que é pior que Madonna; (d) whatever! Eu que tenho The Fame Monster nos álbuns mais tocados do iPod, posso dizer que salto sempre esta canção porque, francamente, não gosto do ritmo e não percebo a letra... não será o videoclip que vai alterar isso.

Agora que há aqui muito de eighties Madonna há sim senhor... eu diria até que a colagem é claramente deliberada, com Lady Gaga a pretender mais que imitar, suplantar aquela que é a sua mater nestas andanças do chique e do choque. Ora vejamos:

Peguemos na iconografia religiosa de Like a Prayer, que mesmo sem este video seria uma das mais inesquecíveis canções de Madonna e, até, de toda a década de 80...


Juntemos alguma estética noir e os dançarinos musculados de Express Yourself...


E para garantir exposição mediática, terminemos a receita com as insinuações softcore / hardcore de Erotica...


Leve-se ao lume a cozinhar, com realização do fotógrafo Steven Kein... e temos polémica e airplay garantidos.


O problema é que no meio disto tudo, continuo sem saber quem raio é o Alexandro. Not that I particularly care.

hasta luego


Madrid me aguarda! Volto daqui a uns dias.

xoxo,

walking in my shoes


Já vos falei aqui do Etsy... e da minha busca por uns sapatos Oxford. Pois é, resolvi ver o que encontrava no Etsy neste estilo, e depois de muita busca para cima e para baixo, descobri... estes sapatos Ferragamo. E comprei-os... e chegaram hoje. Guess what?

Servem que é uma maravilha! São exactamente o meu tamanho, super confortáveis, e estão em óptimo estado... as solas estão boas e necessitam apenas de uma boa engraxadela. A vida tem destas coisas: enquanto esperava que a encomenda chegasse (vieram da Califórnia, demoraram umas boas três semanas), experimentei sapatos deste estilo na Aldo, na Zara e na Massimo Dutti... e achei-os a todos um pouco grandes e/ou largos no pé. Eu tenho mesmo pés pequeninos... E então não é que estes sapatos, comprados nas internetes a olho, me assentam que nem uma luva?!

E sabem quanto custaram?... Cinquenta dólares (com gastos de envio), na loja de vintage TheLovelyOwl da simpática Allison. Recomenda-se!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...