nunca digas desta água não beberei


Se há uma vertente da moda que não me diz absolutamente nada, é a roupa desportiva. De vez em quando vejo notícias sobre novas colecções da marca X ou Y, colaborações criativas, etc., olho para os preços e penso, mas isto é roupa para transpirar. A mesma coisa se passa com ténis. Olhem que já dei quantias bem obscenas por sapatos, mas tenho anticorpos a pagar muito dinheiro por ténis. Para mim é um calçado que deve ser encarado estritamente na sua vertente funcional de conforto, segurança e adequação à actividade desportiva pretendida.

Isto já vos deixa adivinhar que não sou nem nunca fui grande entusiasta de actividade desportiva. Odiava e desprezava as aulas de Educação Física, que consistiam essencialmente em desportos de equipa nos quais sou uma nulidade, porque falta-me a destreza de reacção necessária. Enfim, graças à sinusite tinha umas dispensas médicas e raramente praticava mesmo desporto, mas ainda assim e num pleno assomo de inutilidade e idiotice, os professores insistiam que eu me equipasse para ficar sentada no banco. Uma perda de tempo e de energia. 

Entretanto e fora do liceu comecei a aprender natação e a praticar aeróbica (minha nossa que coisa tão anos 90). Fui praticando natação on and off durante uns anos e quando vim para Lisboa andei nas piscinas do Estádio Universitário mas não gostava nada da piscina grande porque nos fazem nadar em fila indiana o que me deixava pouco à vontade, porque se paramos ou abrandamos o nadador de trás choca connosco. Eu se pudesse nadava dentro de uma daquelas gaiolas que os mergulhadores usam contra os tubarões para ninguém me importunar!

Depois disso pratiquei dança até que o ginásio em questão acabou com a modalidade porque só duas pessoas (eu e outra moça) iam às aulas regularmente. Mudei de escritório e inscrevi-me no Holmes Place mesmo ao pé mas o ginásio nunca me agradou muito. Ainda estou para perceber porque é que os exercícios hoje em dia têm todos nomes estrangeiros e porque é que o antigo jogging passou a running. Nesses tempos o que praticava mais era hidroginástica, mas sucede que (i) eles foram alterando os horários até me ser impossível ir a essas aulas e (ii) por muito truques que usasse, o cloro da piscina fazia horrores à minha pele. Cancelei a inscrição.

Até que chegamos aos dias de hoje, em que após receber feedback positivo de várias colegas inscritas no Fitness Hut, inscrevi-me também e por enquanto, ao fim de duas semanas, estou a gostar bastante do ginásio e do ambiente. Aproveitei estar em plena época de saldos para fazer um pequeno update à minha escassa roupa de exercício (tradução: comprei dois pares de leggings em saldo na Mango, cuja colecção de desporto é bem catita), e achei melhor comprar um segundo par de ténis para não estar sempre a usar os mesmos, uns Adidas comprados também em saldo há uns anos. 

Então chego à SportZone, experimento um ou dois pares das marcas da loja (a Doone e a Outpace) e já tinha uns Outpace na mão prontos a comprar quando resolvi dar uma última volta pela loja e vi o expositor dos Nike Free na parede. Porque não experimentar um último par, pensei eu, e quando me vi com eles nos pés soube imediatamente que a minha carteira estava lixada. É que mesmo com 30% de desconto e a um preço francamente barato para uns Nike, eles custavam o dobro dos Outpace que eu estava prestes a comprar, mas a diferença sentia-se nos pés. Mesmo. A diferença a nível de conforto e leveza é notória - pelo que vinha escrito na caixa, percebo que estes ténis foram concebidos para deixar o pé mais livre: diz a marca "Nike Free shoes are specifically designed to let your feet move more naturally and freely than traditional athletic shoes". E lá vieram comigo os Nike Free 5.0 Flash Hyper Jade (isto parece o nome de um programa de computador), usei-os ontem pela primeira vez e parece que vamos ser muito felizes juntos.

Agora para a felicidade ser completa só faltava aparecer o meu soutien de desporto favorito (uma pechincha comprada na Primark que rivalizava com peças a custar o triplo) que parece ter sido engolido por um buraco negro, porque há meses que o procuro sem sucesso. Ó destino cruel.

3 comentários :

  1. A mim também ninguém me apanha de ténis na rua, a não ser no Verão, uns All Star, num fim de semana mais casual. MAS... no ginásio a conversa é outra: tenho carradas de fatiotas e é uma das (muitas) motivações (que tenho de arranjar) para não me baldar aos treinos. Ou seja, tenho um armário dedicado só a essa área, sendo que há uns 3 ou 4 anos que não compro nada, porque me proibi: só quando fizer a folha a mais algumas coisas é que as posso substituir. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu ténis "de passeio" só tenho uns All Star pretos que dão com tudo, e uns Adidas Originals que uso ocasionalmente, os Princess Leia da colecção Star Wars (encontrei-os em saldo numa loja do DV Tejo meses depois de me dizerem que a colecção nem sequer vinha para cá, go figure).

      Os Nike e as leggings foram boas compras, agora fazia-me jeito uma T-shirt ou duas daquelas todas pipi em tecidos aerospaciais, mas se não encontrar nada a preço decente safo-me com as minhas T-shirts velhas até ao fim da estação :D

      Eliminar
  2. O El Corte Ingles está com saldos óptimos :)

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...