Clinique Pop Lip Colour + Primer


Foi com muito agrado que vi chegar às perfumarias nacionais os novos batons Pop Lip Colour + Primer da Clinique. Como já algumas vezes comentei por aqui, acho a distribuição da Clinique e da Estée Lauder (pertencentes ao mesmo grupo e distribuidor) em Portugal inexplicáveis. As marcas têm pouquíssima divulgação, é frequente encontrar expositores meio vazios nas perfumarias, e há produtos que simplesmente nunca são vendidos cá - caso dos blush Cheek Pop da Clinique, lançados no ano passado...

Ora, os Pop Lips foram lançados em Inglaterra em Março, e eu estava de água na boca de ver todas as bloggers inglesas a gabá-los, portanto há coisa de um mês e tal aproveitei um evento triple points da Boots para me abastecer de produtos Indeed Labs e comprei também um destes batons. Dado que as britânicas estavam todas loucas por um vermelho alaranjado chamado Poppy Pop eu também queria essa cor, mas esgotou e depois de ver uns swatches online acabei por comprar a cor Plum Pop.


O Plum Pop revelou-se um daqueles felizes acasos em que uma cor escolhida ao calhas e em desespero de causa nos cai lindamente. É um rosa malva neutro que em mim fica muito My Lips But Better, pois a cor natural dos meus lábios é bastante rosada. Já aprendi a nunca tentar comprar batons de fundo bege sem os experimentar primeiro, porque o risco de resultar em "lábios de cadáver" é bastante grande - aconteceu-me no ano passado com o batom Last Tango da NARS!

A Clinique descreve os Pop Lips como um batom rico em cor acrescido de primer suavizante, tudo-em-um, que suaviza, define e nutre os lábios, mantendo-os hidratados e preenchidos com cores vivas e vibrantes durante todo o dia. Quanto à parte do primer não posso dizer grande coisa, tenho os lábios naturalmente suaves à custa de muito protector labial. Mas achei o meu Plum Pop um batom muito confortável de usar, hidratante e perfeito para um estilo natural.


No fim de semana passado encontrei os Pop Lips já à venda na Douglas e na Perfumes & Companhia e tive oportunidade de experimentar mais cores in loco. Acabei por concluir que o tão desejado Poppy Pop era demasiado coral ao vivo (é possível que parecesse mais avermelhado nas inglesas dado que elas têm todas um tom de pele bastante mais claro e de base rosa, ao passo que eu sou um  tom médio de base amarela), mas quase todas as outras cores são maravilhosas e fiquei de olho no Cherry Pop, um vermelho cereja lindíssimo!

Os Pop Lips custam cerca de  € 20, o que significa que as usuais promoções de 20% nas perfumarias nos permitirão comprá-los por cerca de € 16. É um preço muito simpático para um batom, tendo em conta que as marcas de perfumaria andam todas loucas e atiraram os preços dos batons todos para os € 30. E já viram que as embalagens são amorosas?

secção de frescos


Há dias raros em que é preciso soltar a Anna Dello Russo que há em nós e comprar uma coisa absolutamente desnecessária, fútil e over the top. Quando vi esta carteira no catálogo da Accessorize soube que era um desses dias. Foi amor à primeira vista por esta mini carteira em forma de pacote de sumo. De tal forma que, quando não a encontrei numa loja física, decidi encomendá-la na loja online em vez de ir correr as lojas todas da Accessorize de Lisboa...

Apple Juice Bag € 39,99 Accessorize

Mas tenho de confessar, e os mais astutos entre vós já o terão adivinhado, que este meu encanto tinha algo por trás. É que esta carteirinha é, digamos, inspirada numa das peças de culto da colecção Chanel Outono / Inverno 2014: a Lait de Coco

Imagem © Vogue Mexico

Numa das suas colecções mais memoráveis dos últimos anos, Karl Lagerfeld transformou a passagem de modelos numa ida ao supermercado, completa com cestos de compras e pacotes de frescos. Ir ao Continente nunca foi tão fashion.

Imagem © The Street Muse

Chegou ontem é tal e qual como nas fotos. Apesar de invulgar, o seu formato até acaba por ser prático porque cabem lá dentro os essenciais sem ter de os espalmar como às vezes acontece com as clutch. Vai um suminho?

"review": Rodial Dragon's Blood


Já aqui partilhei a minha opinião sobre certas práticas da marca Rodial, que apesar do marketing ocasionalmente desastrado tem, a meu ver, bons produtos. O nome algo sensacionalista Dragon's Blood parece tirado da Guerra dos Tronos (caso em que Daenerys Targaryen ficaria com certeza muito zangada com estes senhores) mas refere-se afinal a uma inofensiva resina vegetal. A Croton lechteri é uma árvore da América do Sul à qual foi dado o nome Sangre de Drago devido à espessa resina vermelha que o seu tronco produz. Ora, esta resina tem fama de ter propriedades regeneradoras e curativas, sendo há muito usada pelas tribos nativas para cobrir e proteger feridas.


Honestamente não sei se a linha Dragon's Blood da Rodial tem suficiente quantidade de extracto de resina de Croton lechteri para fazer alguma coisa, mas que gostei dos produtos, gostei. Numa venda da Showroomprivé há coisa de um ano comprei o Dragon's Blood Sculpting Gel e a Dragon's Blood Hyaluronic Mask, produtos que neste momento estão ambos quase no fim.

O Sculpting Gel é um creme-gel de textura muito agradável para esta época do ano. Hidrata sem deixar a pele oleosa, mas antes com um aspecto dewy muito simpático. Promete volumizar e definir os contornos faciais, proteger a pele das agressões do dia a dia, e reduzir a vermelhidão, indicando-se como adequado a pele sensível. Ora eu realmente tenho pele sensível e dei-me muito bem com este creme, mas não garanto que outras peles o façam. É que passei imenso tempo encantada com a fragrância do creme - que eu estava convencida ser o cheiro da tal resina - até que um dia me deram uma amostra do protector solar da linha Super Acids que tinha exactamente o mesmo cheiro, e percebi que era simplesmente o aroma que adicionam a todos os produtos da Rodial...

Os ingredientes são: Aqua (Water), Dimethicone, Cyclopentasiloxane, Hydrogenated Polyisobutene, Butylene Glycol, Polysilicone-11, Helianthus Annuus (Sunflower) Seed Oil, Glycerin, Laureth-4, Polyacrylamide, Phenoxyethanol, C13-14 Isoparaffin, Benzyl Alcohol, Caprylic/Capric Triglyceride, Laureth-7, Disodium EDTA, Citric Acid, Ethylhexylglycerin, Croton Lechleri Resin Extract, Lupinus Albus (White Lupin) Extract, Parfum (Fragrance), Propylene Glycol, Limonene, Dehydroacetic Acid, Commiphora Mukul Resin Extract, Geraniol, Potassium Sorbate, Linalool, Punica Granatum (Pomegranate) Fruit Extract, Sorbic Acid, Tocopherol, Anemarrhena Asphodeloides Root Extract.

Uso este creme de manhã (à noite continuo a usar uma combinação de Retinol Reface e Embryolisse) e sinto que o mesmo me deixa a pele repousada e hidratada. A maquilhagem aplicada por cima fica perfeita, a pele fica com um aspecto luminoso e hidratado. Quanto aos efeitos de volumizar e definir contornos, não tenho idade nem rugas que permitam aferir um tal efeito. A dada altura noitei que tinha os sulcos nasogenianos menos vincados e ainda pensei que pudesse ser disto, mas em conversa com a Sara do Makedown chegámos à conclusão que o "culpado" de tal efeito era provavelmente o retinol! Ainda assim gostei muito deste creme e até o recompraria não fosse o preço algo obsceno do mesmo...

Já a Hyaluronic Mask veio a revelar-se uma concorrente de peso à minha bem-amada Holy Grail das máscaras de hidratação, a Rose Noire da Sisley. Com efeito, é uma daquelas máscaras simplesmente perfeitas para aplicar em pose toda a noite e de manhã o efeito é maravilhoso, uma pele nutrida e repousada. Às vezes para potenciar o efeito, aplico por cima umas gotas do óleo Rosehip Bioregenerate da Pai Skincare, mas mesmo por si só a Hyaluronic Mask é fantástica. Se tivesse de escolher, preferiria a máscara ao Sculpting Gel, e dado que a mesma tem um preço ligeiramente menos obsceno considerarei certamente recomprá-la no futuro.

Ingredientes: Aqua (Water), Glycerin, Cyclopentasiloxane, Polysilicone-11, Propylene Glycol, Dimethicone, Pentaerythrityl Tetraethylhexanoate, Phenoxyethanol, Hydroxyethyl Acrylate/Sodium Acryloyldimethyl Taurate Copolymer, Acrylates/C10-30 Alkyl Acrylate Crosspolymer, Triethanolamine, Squalane, Sucrose Palmitate, Galactoarabinan, Glyceryl Linoleate, Tocopheryl Acetate, Disodium EDTA, Ethylhexylglycerin, Polysorbate 60, Parfum (Fragrance), Limonene, Potassium Sorbate, Sodium Hyaluronate, Sorbitan Isostearate, Geraniol, Linalool, Croton Lechleri Resin Extract.

até que funciona


Conforme já vos tinha dado conta há uns meses, (re)comecei a praticar actividade física na cadeia Fitness Hut e tenho conseguido manter uma frequência de entre duas a três vezes por semana. Como me conheço muito bem, comecei de mansinho só com duas aulas semanais para não me cansar demasiado nem desanimar e depois fui aumentando a actividade à medida que sentia a resistência aumentar. No Sábado passado consegui fazer duas horas seguidas, RPM e depois body pump, e isto há três meses seria manifestamente impossível!

Continuo a detestar step e coisas que metam danças, e nem sequer me aproximei das aulas de Zumba. Já percebi que gosto de exercício funcional sem passinhos, piruetas ou gritinhos, por isso mantenho-me nas modalidades que gosto. Contra todas as expectativas, gostei muito do treino com PT (o ginásio oferece uma aula para experimentar, com a inscrição), que pratico uma vez por semana. Por este andar já fiz mais aulas em três meses de Fitness Hut que num ano de Holmes Place. 

Não sei explicar se a diferença está no ambiente dos ginásios, se está em mim, mas a verdade é que no Holmes quase que ia por obrigação até que deixei de ir de todo, e ao Fitness vou com gosto e cada vez mais frequentemente. Acho que só não vou mais vezes por causa dos chuveiros, que têm um temporizador que torna muito, muito chato lavar o cabelo (temos de carregar no botão da água de vinte em vinte segundos). Isso impede-me de ir às aulas de manhã, prefiro ir à noite e tomar o duche em casa (ou no fim de semana, treinar no Fitness mais perto de casa e fazer o mesmo).

O meu objectivo nunca foi perder peso, mas recuperar forma física; eu passo o dia sentada num escritório e a dada altura ficava ofegante só de subir a Avenida da Liberdade a pé... De qualquer maneira, em resultado do treino perdi cerca de 1Kg e estou a trocar massa gorda por massa muscular (pelo menos é o que diz aquela balança XPTO que usam para nos pesar nos ginásios). Noto que me canso menos e tenho maior resistência, quer nos exercícios, quer no dia a dia.

Entretanto cheguei à conclusão que onde vale mesmo a pena investir é em calçado de treino. Umas T-shirts leves e umas leggings despacham a coisa, mas se os ténis não forem bons o treino todo sofre! Até agora os meus Nike Free têm sido o calçado de eleição para as aulas que requerem mais movimento e flexibilidade, revelaram-se muito confortáveis e são um modelo que recomendo em definitivo. 


Com tantas notícias sobre a abertura da nova loja da Adidas no Colombo (que esteve com uma promoção de abertura de 25% desconto em tudo), não resisti a dar lá um saltinho e saí de lá com a carteira mais leve, uma vez que me apaixonei por um modelo novo que não era exactamente barato. São os Climachill Gazelle Boost e custam € 120, em promoção ficaram-me por € 90. É um modelo um bocado estranho porque o sapato não tem pala e é feito numa peça única, como uma meia, todo em tecido leve e com uns orifícios de ventilação na sola. A ideia disto tudo é manter o pé "ventilado" e só vos digo, são brutalmente confortáveis. Sim, e também são lindos.

é lixado ter boa memória

#1 patuxxa vê carteira Valentino no Instagram da Stivali e pensa "que padrão giro!"

#2 patuxxa vê vestido da Mango e pensa "que padrão giro!"

Vestido estampado Mango € 39,99

#3 patuxxa compra vestido da Mango.

#4 patuxxa percebe que o padrão da Mango é assim para o inspirado nos padrões da colecção Primavera 2015 da Valentino.

Carteira em cabedal estampado Valentino € 2.350,00

#5 patuxxa congratula-se por ter um subconsciente com queda para a moda mas ainda assim poupadinho, feitas as comparações.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...